PVT Cascavel divulga resultados sobre acidentes de trânsito ocorridos em 2020

Através da Metodologia do Programa Vida no Trânsito o município paranaense de Cascavel, vem conseguindo qualificar as informações de acidentes de trânsito, com o objetivo de reduzir os índices de lesões e mortes no trânsito no município.

Fontes de informação utilizadas Com objetivo de identificar o perfil dos acidentes de trânsito e das vítimas o COTRANS/PVT instituiu a Comissão de Análise dos Acidentes, sendo composta por órgãos que atendem os acidentes de trânsito.

  • Corpo de Bombeiros/SIATE: possui um sistema informatizado (SYSBM), com dados de acidentes de trânsito desde 2005, contendo: Dados do Acidente (data, hora, endereço, tipo de acidente, situação no local e procedimentos realizados); Dados da vítima (nome, idade, sexo, principais ferimentos, condições de segurança, hospital de encaminhamento); Dados do veículo (placa, marca, modelo, condutor e principais danos);

  • Polícia Militar e PRE: possuem o sistema de informações (BATEU), com dados de acidentes de trânsito, contendo: Dados do Acidente (data, hora, endereço, tipo de acidente, resultado do acidente e condições da via); Dados do envolvido (nome, idade, sexo, tipo de envolvido, resultado, habilitação, endereço, exame etilométrico e profissão); Dados do veículo (placa, marca, modelo, proprietário, condutor, condições e danos);

  • Polícia Rodoviária Federal: possui sistemas de informações (BAT), com dados de acidentes de trânsito, contendo: Dados do Acidente (data, hora, endereço, tipo de acidente, resultado do acidente e condições da via); Dados do envolvido (nome, idade, sexo, tipo de envolvido, resultado, habilitação, endereço, exame etilométrico e profissão); Dados do veículo (placa, marca, modelo, proprietário, condutor, condições e danos);

  • Secretária Municipal de Saúde e 10ª Regional de Saúde: possui sistema informatizado de informações sobre óbitos (SIM), contendo os dados das vítimas.

  • Polícia Científica/IML: laudos de necropsia de óbitos por acidente de trânsito.


Através das informações dos sistema acima, e utilizando a metodologia do PVT, é gerada a lista única, que é o pareamento dos dados (unificação) sobre as informações de acidentes de trânsito. Atualmente o PVT Cascavel tem realizado somente a lista única e análise dos óbitos, mas em breve, pretende-se gerar a lista única de todos os acidentes e análise dos óbitos e dos casos graves, conforme orienta a metodologia do PVT.


Este conjunto de informações vem permitindo que o município realize uma série de análises, as quais vem oportunizando que intervenções mais assertivas sejam planejadas e executadas. Um exemplo do fruto da qualificação de dados por meio da metodologia do Programa Vida no Trânsito é a identificação dos fatores de risco e condutas inapropriadas para a ocorrência de acidentes fatais, conforme pode ser visto no Gráfico 1.



Gráfico 1 - Fatores e condutas de risco - óbitos 2020

O Gráfico 2 apresenta a conquista do município em termos de redução de vítimas fatais.

Gráfico 2 - comparativo de população x frota x óbitos de 2012 a 2020

No Gráfico 2 é possível identificar uma redução de aproximadamente 50% nas fatalidades, em número absolutos, mesmo com o aumento da população e frota total de veículos. Nota-se também que de 2012 até 2018 tivemos uma queda expressiva no número de mortes, em aproximadamente 66%, porém em 2019 e 2020 voltamos a ter crescimento.

Em nossa análise, várias medidas como diminuição de fiscalização por conta da retirada de radares e mudanças na legislação fizeram com que o número de acidentes e mortes crescessem, além da pandemia, que fez com que as ações educativas e de fiscalização diminuíssem muito.


No Gráfico 3 apresentamos a faixa etária da vítimas de acidente de trânsito com óbito.


Gráfico 3 - faixa etária das vítimas em óbito - 2020

Nota-se que a maior parte das vítimas que foram a óbito por acidente de trânsito são jovens em plena idade laboral, o que representa, além do dano inestimável para seus familiares, um prejuízo enorme para a nação.


Quanto ao status da vítimas que morreram em função dos acidentes, o Gráfico 4 apresenta as seguintes informações:


Gráfico 4 - óbitos pelo status da vítima - 2020

Observa-se que a morte de motociclistas representou quase metade do número total de mortes (69) em 2020, e isso se justifica pela velocidade normalmente utilizada nesse veículo, mas com uma fragilidade muito grande. Com a pandemia, muitas pessoas perderam seus empregos e migraram para o "delivery", além de pessoas que passaram a utilizar a moto para se deslocar, em função do custo dos combustíveis. Esse somatório de fatores gerou acidentes gravíssimos, com muitas mortes no município.


No Gráfico 5 apresentamos as mortes por dia da semana.


Gráfico 6 - óbitos por dia da semana - 2020

Observa-se então, que os óbitos ocorrem principalmente de sexta a domingo, ou seja, nos finais de semana, onde normalmente as pessoas saem pra se divertir e consomem bebidas alcoólicas, depois saem dirigindo, e quando se faz necessário uma maior fiscalização para coibir tal prática, mas que infelizmente forma menores em 2020, por conta da pandemia. É necessário fiscalizar mais e em pontos críticos.


Então, da análise que o PVT realizou dos acidentes em mortes no trânsito em 2020 em Cascavel, chegamos a algumas conclusões:


1) A pandemia impactou muitas ações que previnem acidentes, principalmente as de educação e fiscalização, que foram prejudicas: primeiro pelas medidas de afastamento e para se evitar o contado, segundo pelas mudanças em algumas legislações que dificultaram a fiscalização (questões dos radares);

2) Com a pandemia, restrições e fechamentos impostos, muitas pessoas perderam seus empregos e mudaram para o "delivery", passando a trabalhar de moto, sem terem capacitação para isso, abusando da velocidade e desrespeito à legislação (para fazer mais entregas);

3) Outras pessoas deixaram o carro em casa e passaram a utilizar a moto, por ser mais barata, e também abusaram da velocidade e desrespeito (ruas mais livres pelos fechamentos e menos fiscalização). Esse contexto gerou acidentes mais graves e mortes.

3) Os motoristas de automóvel também passaram a exagerar na velocidade, com as ruas mais livres e com menos fiscalização, também gerando acidentes graves.


Todo esse contexto fez que mesmo com uma redução do número de acidentes, da ordem de 10% em relação ao ano anterior (dados do Corpo de Bombeiros e Polícia Militar), os acidentes que ocorreram foram em geral mais grave e com mais mortes (aumento de 13% no número de mortes em relação a 2019).


Faz-se necessário que o tripé da prevenção seja trabalhado conjuntamente: educação, fiscalização e engenharia. Mesmo que tenhamos dificuldades para realizar as ações de educação e fiscalização, temos que buscar alternativas e intensificar tais ações, juntando-as à engenharia, para que possamos diminuir os acidentes e a gravidade deles, lembrando que a velocidade é o fator mais crítico para as mortes no trânsito.


Clique para baixar o relatório na íntegra Major Amarildo - Coordenador do Cotrans/PVT Cascavel

26 visualizações0 comentário